Governo português busca parceria com setor privado para construção de imóveis residenciais

(Foto: Daria Shevtsova/Pexels)

Hoje, o mercado de imóveis residenciais vive grandes desafios em Portugal. A guerra da Ucrânia agravou a inflação, acelerando a subida dos custos da construção civil e das taxas que impactam no financiamento imobiliário. Os preços das casas dispararam nos últimos anos, as famílias perderam poder de compra e a grande preocupação “é garantir imóveis com preços adequados para todos”, disse Marina Gonçalves, secretária de Habitação do governo português (SEH), na quinta-feira, (12), ao portal idealista/news, na inauguração do Salão Imobiliário de Portugal (SIL). Para que isso seja possível, o governo está articulado com o setor privado e, agora, aguarda que lhe “apresentem projetos  acessíveis”, completou Gonçalves.

“A minha grande preocupação, que obviamente não é a preocupação só do setor, mas também de todas as famílias e dos mais jovens, em particular, é conseguirmos garantir que exista habitação com preço adequados para todos. Esta é a base de todas as políticas públicas que estamos construindo e é também a base das relações que estamos fazendo”, reconheceu a secretária.

FIEC
fico
rpb-1

Setor privado têm papel fundamental

Para resolver a equação de criar casas a preços acessíveis, Marina Gonçalves reconhece a importância do setor privado e, por isso, garante que tem construído uma relação de proximidade com os construtores e agentes do mercado imobiliário para articular uma resposta rápida e conjunta público-privada.

“É sempre muito importante e muito interessante conviver com o setor, mas sobretudo trabalhar com o setor para podermos fazer este tipo de equilíbrio entre a política pública e o trabalho que as empresas têm à nossa disposição. Esse é o trabalho e o nosso maior desafio é tirar do papel a vontade de sermos parceiros na promoção de políticas públicas e criar respostas que sejam efetivamente de casas acessíveis para as famílias”, explicou depois de ter realizado uma visita guiada pela feira.

A secretária de Estado da Habitação considera que os investidores privados “têm um papel fundamental na criação de políticas públicas” e, por isso, espera “que consiga trazer-los para criar novas respostas de arrendamento acessível e que a próxima vez que estejamos juntos seja para apresentarmos projetos, agora sim reais de arrendamento acessível”.

Fluxo de demanda

Para o empresário do mercado imobiliário, Paulo Angelim, diretor da cearense VivA Imóveis, que já opera no mercado português e que também esteve no Salão Imobiliário de Lisboa, na sua visão, o mercado imobiliário em Portugal está vivendo a clássica máxima de que a diferença entre o remédio e o veneno é a dose.

Segundo Angelim, as várias iniciativas governamentais dos últimos anos, de dinamizar esse mercado, atraindo principalmente investidores estrangeiros, por meio de incentivos fiscais e da obtenção de visto de residência (Golden visa) para compras de imóveis acima de €500mil, por exemplo, criou um enorme fluxo de demanda, gerando desequilíbrios na oferta, nos preços, e também processos de gentrificação.

“Os preços dispararam e empurraram os portugueses, principalmente em Lisboa e Porto, para as periferias e cidades menores, carentes de oferta. Some-se a isso os efeitos recentes da inflação mundial, que está levando a incorporadores locais (os “patos bravos”) a colocarem o pé no freio, face ao elevado custo e a indisposição e/ou incapacidade dos compradores de absorverem estes aumentos”, disse o empresário.

“Este mesmo último fenômeno está acontecendo também no Brasil, o que põe em cheque o sucesso desta intenção do governo português. Agora, é aguardar”, completou.

Investidores

No evento, Paulo Angelim coordenou um grupo de empresários brasileiros interessados em investir no mercado imobiliário português.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui