Como os pais empresários devem orientar a carreira dos herdeiros adolescentes?

*Coluna por Aletéia Lopes, 02/05/2022

Ao longo da minha experiência a frente de uma escola de jovens herdeiros, é cada vez mais comum receber pais empresários com dificuldade de orientar ou mesmo auxiliar os filhos adolescentes na escolha de sua carreira profissional. Primeiro porque existe uma vasta opção de cursos, faculdades e oportunidades de estudos, bem diferente da época dos próprios pais, inclusive com novas áreas de atuação profissional muitas vezes desconhecidas por esses pais empresários, que passaram sua vida toda dedicada ao seu nicho de negócio e vendo esse, como a melhor e muitas vezes como a única opção para a carreira dos filhos.

FIEC
fico
rpb-1

Geralmente os pais empresários chegam na escola de herdeiros querendo uma orientação de carreira para o filho, no entanto cheio de anseios de que essa carreira tenha ligação direta com o negócio familiar, o discurso dos pais é:
– Meu filho não sabe bem o que quer fazer vestibular, no entanto, acredito que o melhor para ele seria engenharia de produção ou economia, pois são áreas que ele pode nos ajudar na empresa.

Enquanto isso, muitas vezes a fala do herdeiro é:

– Não sei bem o que quero fazer, mas tenho certeza que eu não levo jeito para a área de engenharia de produção ou economia como meus pais falam, no entanto não sei como dizer isso a eles.

Então o primeiro passo, dentro da escola de herdeiros é realizar uma bateria de testes vocacionais para entender melhor o perfil do herdeiro e as áreas que são mais afins a esse perfil. Após a aplicação dos testes, na devolutiva com o herdeiro iniciamos uma primeira aproximação do herdeiro com a área dentro do perfil que ele se identifica. Após selecionar essa área, o herdeiro precisa ter experiência prática com essa área selecionada. Nesse momento, a escola entra em contato com a empresa ou organização que possui essa área de atuação para que o herdeiro possa realizar uma primeira visita técnica acompanhado de um mentor.

Por exemplo, recentemente a escola realizou uma visita técnica com uma herdeira que dentro dos testes vocacionais escolheu a área de comercio exterior/relações internacionais. Durante a visita técnica a uma empresa especializada em logística internacional que oferece serviços de transportes de cargas, combinando os modais aéreo, marítimo e terrestre, a herdeira foi recebida pelo CEO e pelos executivos responsáveis pela área de comercio exterior que fizeram uma explanação sobre o trabalho desenvolvido na empresa e em seguida foi agendado alguns momentos em que a herdeira ficaria um período do dia para acompanhar o desempenho da área. Uma forma utilizada para que a herdeira possa ter mais segurança com sua escolha de carreira.

Além dessa experiência vivencial, os herdeiros também são acompanhados por um Coach de carreira para que possa trabalhar o autoconhecimento e habilidades que precisam desenvolver para ajudá-los no desempenho profissional futuro.
Portanto, não é tão simples como era no passado introduzir um herdeiro jovem nos negócios familiares, porque o mundo mudou, hoje temos um mundo BANI (Frágil, ansioso, não linear e incompreensível) e para isso precisamos dar aos jovens herdeiros em início de carreira a oportunidade de decidir com segurança um caminho profissional que faça sentido para ele, seja dentro ou fora dos negócios familiares.

*Aletéia Lopes é escritora e diretora da HerdArs com experiência em projetos de governança para Famílias Empresárias e formação de Herdeiros/Sucessores. Mentora estratégica de executivos familiares e mediadora de conflitos. Graduada em Serviço Social, com formação em Mentoring, Coaching, Constelação Sistêmica e Terapia Familiar. Membro do Instituto Brasileiro de Governança corporativa – IBGC/CE. Diretora de Governança da Câmara de Comércio e Indústria Brasil e Alemanha no Ceará – CCIBAC.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do ENB.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui