Programa amplia transferência de tecnologia entre universidades e mercado

O trabalho envolve o mapeamento das demandas de mercado existentes, que têm necessidades de inovação e pesquisa. Foto de Canva Studio no Pexels

Gerar as políticas de inovação e empreendedorismo, auxiliando na promoção do conhecimento e no uso de novas tecnologias oriundas de universidades e institutos de pesquisa. Essa a ideia central do programa piloto de Transferência Tecnológica criado pela Confederação Nacional de Empresas Juniores (Brasil Júnior), em conjunto com a Emerge, empresa especializada em fazer a conexão entre mercado e ciência.

A iniciativa busca auxiliar a evolução de modelos de negócios que promovam o desenvolvimento tecnológico de base científica. O programa prevê a formação de empreendedores juniores para que estes saibam diagnosticas e transferir tecnologias desenvolvidas no ensino superior para o mercado. O público alvo principal são empresas juniores de engenharia, TI, design, ciências biológicas e saúde.

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

“O programa é uma plataforma de transferência de conhecimento técnico ou científico em combinação com fatores de produção. Podemos utilizar, por exemplo, resultado de pesquisas e outros trabalhos realizados em ambiente universitário e aplicá-los como solução para modelos de negócios de forma inovadora. Como forma de proteger a propriedade intelectual e regulatória fixaremos acordos entre universidade e a EJ para o desenvolvimento de tecnologia com uso desses trabalhos”, resume Talmany Leite, gerente de Aceleração da Rede da Brasil Júnior.

ara Talmany, o projeto pode gerar aumento considerável no faturamento da empresa júnior envolvida, além de significar para a instituição de ensino superior aumento da capilaridade e da atuação, maior interação com o mercado e com a sociedade e incremento no número de produção científica. “Teremos ainda o fortalecimento da relação entre o Movimento Empresa Júnior (MEJ) e a universidade”, destaca.

O trabalho envolve o mapeamento das demandas de mercado existentes, que têm necessidades de inovação e pesquisa desenvolvidos pela empresa júnior. A partir desse ponto, elabora-se o diagnóstico do mercado, que será aplicado em indústrias, núcleos de inovação, associações comerciais etc.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui