A Digitalização dos bancos promove a inclusão financeira

Digitalização dos bancos promove a inclusão financeira
Ao longo das últimas três décadas, os bancos brasileiros estiveram na vanguarda da tecnologia bancária mundial.

A digitalização que vem transformando o sistema financeiro e a maneira como os serviços e produtos financeiros são ofertados aos seus clientes e usuários contribuíram para ampliar o acesso e promover a inclusão financeira.

Ao longo das últimas três décadas, os bancos brasileiros estiveram na vanguarda da tecnologia bancária mundial. O setor introduziu importantes mudanças no dia a dia das pessoas, como o chip nos cartões de crédito, os tokens, a biometria, a internet banking e o mobile banking. Essas ferramentas foram incorporadas no cotidiano do cidadão e das empresas e hoje são tão comuns e fáceis como acender uma luz ou acessar a internet.

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

O Pix, criado pelo Banco Central, lançado durante a pandemia e que contou com o apoio irrestrito dos bancos na sua implementação, se destaca pelo potencial de democratizar o acesso a serviços de pagamento e alavancar a inclusão digital.

Os volumes significativos de transações e de adesões de clientes mostram a eficiência e grande aceitação popular do meio de pagamento, que trouxe conveniência e facilidades para os clientes em suas transações financeiras do dia a dia.

Em 1 ano de existência, foram feitas 7 bilhões de transações com R$ 4 trilhões de volume financeiro. Até hoje, mais de 104,4 milhões de pessoas fizeram ou receberam pelo menos um Pix. Desde o lançamento do Pix, já são mais de 348,1 milhões de chaves cadastradas no Diretório de Identificadores de Contas Transacionais do Banco Central.

O Pix tornou-se uma importante ferramenta para impulsionar a bancarização no país, trazendo novos clientes para o sistema financeiro. Adicionalmente, o Pix tem se mostrado uma importante oportunidade para o Brasil reduzir a necessidade do uso de dinheiro em espécie em transações comerciais e os altos custos de transporte e logística de cédulas, que totaliza cerca de R$ 10 bilhões ao ano.

“No Brasil, já fazíamos transferências de recursos, via TED e DOC, antes de muitos países desenvolvidos. As instituições financeiras criaram e universalizaram a tecnologia financeira no Brasil e se tornaram exemplo mundial. Ser digital, inovador e moderno, além de seguro, sempre esteve no DNA dos bancos”, destaca o presidente da FEBRABAN.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui