Tarifa da energia residencial está quase 5% acima da inflação

Fortaleza e Rio de Janeiro, por sua vez, apresentaram ambas uma alta de 5,6 p.p. acima do índice oficial, ao passo que Salvador (4,2 p.p.).
Fortaleza e Rio de Janeiro, por sua vez, apresentaram ambas uma alta de 5,6 p.p. acima do índice oficial, ao passo que Salvador (4,2 p.p.).

O Grupo Safira, um dos principais players do ecossistema de energia do País, concluiu um estudo demonstrando que, de janeiro a agosto de 2021, o índice que mede a inflação da energia elétrica residencial subiu, em média, 4,9 p.p. (pontos percentuais) acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA) nas principais capitais nacionais, pressionando o custo de vida dos brasileiros.

No acumulado de 2021, São Paulo foi a capital onde foi registrado o maior aumento em relação à inflação oficial (8,9 p.p. acima), seguida por Belém e Recife, onde a tarifa de energia subiu 6,3 p.p. além do IPCA. Fortaleza e Rio de Janeiro, por sua vez, apresentaram ambas uma alta de 5,6 p.p. acima do índice oficial, ao passo que Salvador (4,2 p.p.).

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

Porto Alegre (com 3,2 p.p.) e Curitiba (3,1 p.p.) também registraram elevação do componente energia elétrica residencial além do IPCA. Por outro lado, em Belo Horizonte, as tarifas mantiveram-se praticamente dentro do reajuste do IPCA, com aumento de apenas 0,1 p.p. acima do índice.

A perspectiva é de que a elevação superior do custo com energia elétrica se mantenha nos próximos meses, dado o acionamento das bandeiras tarifárias em função da crise hídrica, e também em função dos reajustes anuais das concessionárias de energia nos vários estados, considerando o histórico de menores afluências dos últimos anos.

O estudo mostra que, em 2021, a escalada dos preços da tarifa de energia elétrica residencial começou após o mês de maio, que apresentava índice -3,7 p.p. abaixo da inflação, indicador que se reverteu e apresentou 4,6 p.p. em julho, subindo ainda mais em agosto (para 4,9 p.p. acima do IPCA, em média, nas principais capitais brasileiras). 

O período coincide com o acionamento das bandeiras tarifárias, que permaneceu amarela de janeiro a abril, e passou a ser vermelha patamar 1 a partir de maio, mudando para vermelha patamar 2 em junho, julho e agosto.

“Temos visto uma escalada gradual das tarifas de energia, bem acima da inflação, e a perspectiva é que os índices subam ainda mais até o final do ano, muito em função da crise hídrica e de seus desdobramentos”, observa Josué Faria de Arruda Ferreira, coordenador de Novos Negócios do Grupo Safira, que explica que estes indicadores tarifários carregam o resultado das bandeiras tarifárias, de modo que não refletem somente as tarifas homologadas, mas também as condições hidrológicas correntes no sistema elétrico do País.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui