Brasil tem 74% de pessoas endividadas no mês de setembro 

As obrigações das famílias, levantadas pela pesquisa, incluem cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestações de carro e de casa própria. 
As obrigações das famílias, levantadas pela pesquisa, incluem cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestações de carro e de casa própria. 

A crise afetou milhões de brasileiros e teve impacto direto nas contas das famílias, fato é que o endividamento dos brasileiros atingiu em setembro 74%, o maior desde 2010, quando a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) iniciou a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). O percentual está 1,1 ponto percentual acima do verificado em agosto e na comparação com setembro de 2020, o nível de endividamento da população ficou 6,8 pontos percentuais acima. 

Com a alta de setembro, o indicador renovou o nível recorde, mas houve queda na inadimplência, o que sinaliza um quadro menos negativo — a PEIC mede todos os tipos de endividamento, incluindo cartão de crédito, e o crescimento das dívidas não implica, necessariamente, contas em atraso. 

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

As obrigações das famílias, levantadas pela pesquisa, incluem cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestações de carro e de casa própria. 

Com certeza o momento vivido de pandemia e queda nos rendimentos potencializou esse crescimento, contudo, esse não é um fator isolado, pois as taxas já eram muito altas antes mesmo de 2020, o que demonstra que o problema dos brasileiros é crônico, fruto principalmente da falta de educação financeira.

“Ninguém esperava o momento vivido e ele é muito problemático, contudo, espero que as pessoas tirem aprendizados com essa fase vivida e um deles com certeza é a implementação da educação financeira em suas vidas de forma efetiva. Lembrando que esse conhecimento não remete apenas a contas”, explica Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN).

As pessoas com dívidas podem estar em duas situações, segundo Reinaldo Domingos: endividado ou até mesmo inadimplente. Independentemente de qual seja ela, o especialista explica que é possível mudar de vez essa situação. “Ao longo de minha vida, já presenciei diversas situações que pareciam ser solução e, acredite, todas elas conseguiram se reerguer”, explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui