A Bolsa de Valores do Canadá disse que US$ 277 milhões foram arrecadados para empresas de psicodélicos desde 2020, e US$ 11.25 bilhões foram arrecadados por empresas de maconha e cânhamo desde 2016.
A Bolsa de Valores do Canadá disse que US$ 277 milhões foram arrecadados para empresas de psicodélicos desde 2020, e US$ 11.25 bilhões foram arrecadados por empresas de maconha e cânhamo desde 2016.

A Endocanna está entre um grupo de empresas em estágio inicial que seguem os passos da medicina de precisão, tentando ajudar pessoas a entender como elas irão reagir à cannabis ou drogas psicodélicas, como psilocibina, MDMA, DMT e cetamina.

A premissa é cuspir em um tubo e colocar no correio, então você receberá em casa os resultados do laboratório que poderão oferecer uma ‘viagem’ melhor — ou pelo menos mais segura. O kit caseiro de teste de saliva é vendido por US$ 199 pela Endocanna, que busca 57 características genéticas que podem influenciar a reação de um cliente à maconha, para que possam selecionar a melhor cepa e a dose correta. A empresa também planeja examinar fatores semelhantes para uma variedade de drogas psicotrópicas.

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

As empresas que pesquisam terapias alternativas para depressão, vício, dor crônica e outras aflições querem parte do mercado global de US$ 27 bilhões para as tradicionais drogas psiquiátricas. Elas estão tentando resolver o problema de muitas pessoas de micro-dosar cogumelos mágicos ou se submeterem à terapia com maconha: por medo de uma viagem ruim — ou mesmo de uma psicose duradoura.

A farmacogenômica, ramo da farmacologia preocupado em como os fatores genéticos influenciam as reações aos medicamentos, já obteve algum sucesso na oncologia. Embora não haja consenso científico sobre se a reação de uma pessoa a qualquer tipo de droga psiquiátrica pode ser prevista com genética, empresas como a Endocanna já estão investindo em pesquisas e até mesmo em kits diretos ao consumidor. Caso consigam prevenir reações extremas a drogas psicodélicas, isso poderá abrir caminho para a indústria de forma mais ampla.

Os riscos são mais significativos do que apenas viagens ruins. A maconha costuma ser recomendada para aliviar a ansiedade, mas em algumas pessoas também pode provocá-la. O Instituto Nacional de Abuso de Drogas diz que fumar maconha de alta potência pode aumentar as chances de desenvolver psicose. Por outro lado, uma análise de 2015 de dados de pacientes dos Estados Unidos descobriu que 19.299 americanos que tomaram psicodélicos clássicos como LSD, psilocibina e mescalina não tinham risco aumentado de desenvolver problemas como esquizofrenia, psicose, depressão ou ansiedade, ou de cometer suicídio.

Os riscos não estão impedindo os investidores. A Bolsa de Valores do Canadá disse que US$ 277 milhões foram arrecadados para empresas de psicodélicos desde 2020, e US$ 11.25 bilhões foram arrecadados por empresas de maconha e cânhamo desde 2016. A Entheon Biomedical, com sede em Vancouver, que vende por 89 dólares um teste de saliva por correspondência para pessoas que pretendem usar drogas psicodélicas, está entre eles. A empresa em estágio inicial abriu o capital no ano passado por meio de uma aquisição reversa.

O painel da Entheon para clientes que fazem seus testes contém links para dezenas de estudos científicos publicados em periódicos, revisados ​​por profissionais que oferecem algumas pistas para links em potencial, mas sem respostas definitivas. A empresa também está conduzindo pesquisas sobre ondas cerebrais de eletroencefalograma em pacientes submetidos à terapia psicodélica para aprofundar as ligações entre a variação genética e a resposta ao medicamento.

A Entheon diz que há um lugar para testes diretos ao consumidor, embora a compreensão científica de como a genética se relaciona com a sensibilidade aos medicamentos e a saúde mental esteja evoluindo.

Outras empresas também estão avançando, apesar das incertezas. A Atai Life Sciences, sediada em Berlim, tem diversas entidades que buscam várias drogas no espaço psicodélico. Entre eles está a PsyProtix, uma joint venture que pesquisa depressão, genética e metabolômica — ou o estudo de pequenas moléculas dentro das células.

A startup Mind Medicine, com sede em Nova York, conhecida como MindMed, está apostando na medicina de precisão que não se limita à genética. Seu objetivo é usar informações coletadas de contadores de passos, sensores de pulsação, padrões de sono e efeitos colaterais de medicamentos usados anteriormente para ajudar pacientes psiquiátricos a determinar quais medicamentos tomar e em que dosagem.

Os resultados podem ajudar enquanto a MindMed desenvolve uma linha de produtos potenciais, incluindo tratamentos baseados em LSD, MDMA, DMT e um derivado da ibogaína: 18-MC.

Fonte: Exame

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui