Ataques Cibernéticos no Brasil – Registro de software no INPI – Cresce Procura por Apps – Por Jackson Pereira Jr.

*Coluna – Por Jackson Pereira Jr. – 16/09/2021

Ataques Cibernéticos no Brasil – O Brasil é o país da América Latina com maior índice de ciberataques agravado com a crise da pandemia do coronavírus. Pesquisa realizada pela Agência EY (publicada em reportagem no portal UOL), apontou que o número de ataques cibernéticos contra empresas cresceu 300% em todo mundo durante o período. Em outro levantamento, a CNN revelou que o nosso país é o quarto que mais tem senhas de órgãos públicos vazadas.

FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

Os problemas vão desde a indisponibilização dos serviços, roubos de dados e recursos.

Propriedade Industrial

Os aplicativos (apps) foram o tipo de programação mais citado nos certificados de registro de software, segundo o Insight Report de setembro/2021 da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação no Paraná (Assespro-PR), que traz os indicadores de depósitos de registros de softwares (programas de computador) no Brasil a partir de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

No total foram cerca de 1.350 requisições, representando 44% do total de pedidos de depósitos, enquanto softwares de “planejamento” tiveram 5,2%, “controle” 4,5% e, “automação”, 4,4%. Alguns fatores justificam o grande número de pedidos de registro de aplicativos. Com o advento dos smartphones e a facilidade de acesso à internet móvel, tornou-se extremamente lucrativo o investimento em app que, diferente de softwares mais “pesados” e complexos, funcionam com utilidades pontuais e atraem o interesse dos usuários.

O Insight Report de setembro/2021 da Assespro-PR também aborda outros dados sobre o panorama de desenvolvimento de softwares no Brasil, com o objetivo de traçar estratégias que possam auxiliar seus filiados em relação ao mercado de tecnologia nacional.

Os dados vêm de duas bases do INPI: “Estatísticas Preliminares” dos pedidos de registro de software do Sistema de Protocolo Automatizado Geral (PAG) do INPI e publicações de concessão de registros de software da Revista de Propriedade Intelectual do INPI, edição de 2021.

O número de depósitos de registro de software no INPI foi de 3.049 pedidos, com 75% sendo feitos por pessoas jurídicas (45% por empresas e 43% por Instituições de Ensino e Pesquisa).

São Paulo foi o estado com mais pedidos de registro (25%), seguido por Minas Gerais (12%), Paraná (9%) e Rio de Janeiro (8%). A cidade de São Paulo também foi a primeira no ranking, com 368 solicitações.

Curitiba ocupou a segunda colocação, com 192 solicitações. Entre 2009 e 2017, a capital paranaense manteve-se na quarta posição. E a partir de 2018 superou as cidades do Rio de Janeiro e Campinas. Muito disso se deve à Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) que há anos se coloca como um dos polos de desenvolvimento de tecnologia no Brasil. Foram 99 depósitos, em 2018, e 101, em 2019.

Se considerado apenas o Paraná, Curitiba concentrou 75% dos pedidos de registro, seguida por Ponta Grossa (6%) e Londrina (5%). A Assespro-PR tem buscado fomentar e aumentar o networking em todo o estado, e ter registros vindos dessas regiões fortalece a iniciativa.

Em tempo: Na última sexta-feira (11), a cearense Rede Participar Brasil de Tecnologia ingressou com mais três pedidos de registros junto ao INPI de softwares de gestão da comunicação empresarial integrada, ouvidoria e SAC.

Cresce Procura por Apps

A DevMaker, uma das associadas da Assespro-PR, é um exemplo de como valeu a pena investir no desenvolvimento de apps. A empresa curitibana teve mais de 100% de crescimento em faturamento apenas no primeiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2020.

Rudiney Franceschi, CEO da DevMaker, diz que a empresa, que tem mais de dez anos de mercado, se atentou às demandas por soluções mais pontuais com aplicativos, em especial durante a crise econômica gerada pela pandemia de Covid-19.

“Quando o mercado percebeu que a pandemia iria se postergar, houve uma demanda crescente por digitalização e a necessidade de investimento em mobilidade. Nós fomos uma das empresas que ‘tiraram’ do papel esses projetos”, relata o CEO.

Com o aumento da demanda por soluções de e-commerce, marketplaces, ambientes de interatividade com seu público, como apps para delivery, lojas, plataforma para aulas on-line e até mesmo para o âmbito religioso, a empresa alçou voos inclusive para a Inglaterra, junto de um cliente brasileiro que desenvolve uma solução de delivery, além de um aplicativo para uma empresa de consultoria financeira que fornece treinamento corporativo e optou por criar um aplicativo para compartilhamento de conteúdo.

*os dados do INPI são referentes ao levantamento feito no ano de 2019.

“Coragem significa estar disposto a arriscar tudo”Sanford Meisner

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui