Pequenos empreendimentos geraram 70% dos empregos formais, no primeiro trimestre de 2021 

De acordo com os dados apontados pelo Caged, as médias e grandes empresas foram responsáveis por 190 mil ocupações formais no período.
De acordo com os dados apontados pelo Caged, as médias e grandes empresas foram responsáveis por 190 mil ocupações formais no período.

Análise feita pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), aponta que as micro e pequenas empresas do Brasil criaram 587 mil novos postos de trabalho com carteira assinada, em janeiro e março de 2021.

Esse número representa 70% do total de empregos gerados nos três primeiros meses do ano. Ainda de acordo com os dados apontados pelo Caged, as médias e grandes empresas foram responsáveis por 190 mil ocupações formais no período.

FIEC
Ouvidor Online
rpb-1
pw-1
FIEC
ci-1
rpb-1
rpb-1

“A receita das micro e pequenas empresas para combater a crise causada pela pandemia é a geração de empregos. Quando comparamos com o 1º trimestre de 2020, os dados do Caged apontam que a evolução dos empregos gerados teve aumento de 400%. São números extremamente representativos da força dos pequenos negócios”, afirma Carlos Melles, presidente do Sebrae.

O setor de serviços foi o que mais criou vagas entre as micro e pequenas empresas, com 224,3 mil novos empregos formais. As cinco atividades que apresentaram maior saldo líquido na geração de emprego foram: transporte rodoviário de carga, serviços de escritório e apoio administrativo, locação de mão de obra temporária, serviços de engenharia e serviços para apoio a edifícios.

Em seguida, aparece o setor da indústria, com 152,8 mil postos de trabalho, seguido do comércio, com 105,1 mil, construção civil, com 75,3 mil e, por último, a agropecuária, com 23,9 mil. Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Santa Catarina, foram os estados brasileiros que, proporcionalmente, mais contrataram graças aos pequenos negócios.

Já o Amazonas teve saldos negativos em janeiro e fevereiro, mas recuperou em março. Mesmo assim, o estado continuou com 3,3 novos empregos gerados a cada 1.000 já existentes. Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera com 135 mil novas vagas no 1º trimestre deste ano.

Acesse Canal Telegram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui