Home Office: Um Novo (Velho) Normal

Home Office: Um Novo (Velho) Normal
Foto: Divulgação

Essa pandemia nos traz muitos ensinamentos, muitos aprendizados. Eu, por exemplo, aprendia fazer live!

E como fiz live…

Fiz a GASTONOLIVE, fiz a LIVE BALADÃO (A LIVE BALADA DO HUGO LEÃO), fiz live treinando, fiz uma live de São João e fiz live trabalhando e educando. A primeira live da minha vida foi uma live do SEBRAE onde fui convidado para falar das alternativas criadas pelo governo federal para as relações trabalhistas durante o período da pandemia, com destaque para o home office.

Ah, a pandemia me ensinou também a fazer home office, home fit e home bar!

Mas voltando à live do SEBRAE sobre home office, eu estava construindo a ideia de que há aprendizado e ganhos tanto para a empresa como para o empregado quando se fala em home office. O tema proposto na live dizia respeito a aumento de produtividade com o home office, essa nova (velha) modalidade de trabalho, o trabalho em casa.

Voltei no tempo para falar da “nova” modalidade de trabalho (home office). Será que é tão nova assim? O home office faz parte do novo normal?

Quando eu era criança, ali em meados de 1975, com quatro anos de idade, meus pais trabalhavam fora, meus avós maternos, inválidos, moravam na casa vizinha a nossa e a minha mãe administrava as duas casas, a nossa, com cinco filhos crianças, o mais velho com 8 anos e o mais novo com 2 anos, sem empregada. E a casa vizinha, com mais duas “crianças”, ali com os seus mais de 70 anos.

Nesse contexto, a minha mãe cozinhava, lavava e passava roupa, arrumava a casa, ensinava tarefas escolares e tudo isso, dando expediente de 8 horas em repartição pública.

Mulher à frente do seu tempo, sugeriu ao secretário da pasta em que era vinculada a levar os pareceres que emitia como “advogada de ofício”, hoje Defensora Pública, para fazer em casa e, assim, trabalhar com um olho no gato e outro no peixe, executando seu ofício profissional e os afazeres domésticos. Dito de outra forma, ela sugeriu ao secretário, trabalhar em home office, isso, no ano de 1975.

Conclusão: durante a semana, em trabalho presencial, ela conseguia dar um parecer por dia (cinco ao final da semana), porque estava com o pensamento sempre em casa e na casa dos pais, imaginando como estariam filhos e pais se virando sozinhos. Quando passou a levar os pareceres pra casa, levava em uma segunda 40 processos e os devolvia na segunda feira seguinte, saindo com mais 40.

Portanto, o que se chama de “novo normal” eu chamo de “o normal reinventado”, é o trabalho em casa com roupagem de modernidade e, na minha opinião, uma modalidade que veio pra ficar porque há ganhos para o trabalhador e para a empresa, principalmente em razão do aumento de produtividade.

E você, o que acha?

Advogados, gostamos de pensar e fazer o Direito “fora da caixinha” e de um bom papo!

HUGO LEÃO é advogado, Especialista em Direito e Processo do Trabalho, Assessor da Presidência do Sistema Fecomércio/CE e Diretor do Escritório Hugo Leão Advocacia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui