Varejista Brooks Brothers pede falência nos EUA

Varejista Brooks Brothers pede falência nos EUA

A Brooks Brothers, varejista famosa por titãs de roupas de empresas americanas pediu falência ontem (08) por causa da pandemia global.

Apesar de gerar mais de US$ 991 milhões em faturamento em 2019, o fechamento temporário das lojas causou um aumento nas despesa e a inadimplência nos aluguéis de seu amplo portfólio de lojas.

A companhia mantinha cerca de 250 lojas na América do Norte pré-pandemia, um produto dos esforços de crescimento agressivo do CEO Claudio Del Vecchio. A Brooks Brothers adicionou cerca de um terço de sua atual contagem de lojas nos EUA sob sua liderança.

A empresa de 202 anos, que vestiu Abraham Lincoln e Teddy Roosevelt, também é um dos últimos varejistas restantes comprometidos com a fabricação de alguns de seus produtos nos EUA, possuindo três fábricas em Massachusetts, Carolina do Norte e Nova York.

Antes da pandemia

O código de vestuário da América corporativa mudou de riscas e botões sob medida para moda rápida. O mercado de roupas masculinas dos EUA encolheu 8% de 2015 a 2019, enquanto o mercado de roupas esportivas cresceu 17% no mesmo período, segundo a Euromonitor. Em 2016, reconhecendo a tendência, a Brooks Brothers mudou algumas de suas linhas de produção e lançou roupas casuais chamada Golden Fleece ganhando fôlego.

As roupas esportivas casuais passaram a representar cerca de 80% das vendas totais da Brooks Brothers, enquanto roupas sob medida, como ternos, compõem o resto.

Mas não o suficiente: a Brooks Brothers ainda não pode competir com a presença online de marcas mais novas e mais modernas, apenas cerca de 20% de sua receita de 2019 foi proveniente do e-commerce, em comparação com 54% da Lululemon.

A Brooks Brothers garantiu US$ 75 milhões em financiamento, à medida que procura um comprador que “se alinhe aos nossos valores, cultura e ambições”, disse um porta-voz da empresa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui