HAPVIDA Disponibiliza centenas de novos leitos e testes rápidos para pico do coronavírus

Atualmente, a empresa possui seis pacientes com coronavírus internados em sua rede, sendo dois no estado de São Paulo, três na Bahia e um no Amazonas. Não há nenhum óbito com diagnóstico da Covid-19 confirmado, e 240 testes aguardam resultado para confirmar ou descartar o vírus.

O grupo Hapvida afirma que está se preparando e que, nesta semana, deve disponibilizar 200 novos leitos de UTI após a chegada de novos equipamentos. De acordo com Jorge Pinheiro (foto), presidente da Hapvida, a empresa está fazendo estimativas de acordo com a evolução da doença no Brasil e em outros países para dimensionar a necessidade de instalações.

“Isso é dinâmico. Nós nos reunimos e verificamos de acordo com o que está acontecendo”, explica. Um dos passos foi redirecionar leitos de enfermaria e de terapia intensiva já existentes, que seriam usados em procedimentos eletivos cancelados em razão da pandemia. Nas últimas semanas, foram mobilizados 900 leitos somando os de procedimentos eletivos, de ampliações em hospitais já existentes e de inauguração de novas unidades.

Pinheiro afirma que um dos obstáculos no combate à epidemia é a subnotificação. “Há falta de testes, os resultados têm demorado muito e isso dificulta o tratamento”, explica. O presidente afirma que a companhia fretou aeronaves e importou um “volume significativo” de testes rápidos, embora não revele a quantidade. “Não são muitos laboratórios no Brasil, temos dois conveniados e infelizmente o Brasil todo está se utilizando deles, e hoje o resultado dos testes têm demorado de 2 dias a 5 dias. Com a compra do teste rápido, que deve chegar no final desse mês, teremos resultado em uma ou duas horas, uma coisa excepcional”, afirma.

Já suprimentos para profissionais de saúde, como máscaras n95, protetores faciais e capotes teriam “um conforto de semanas ou meses”, segundo o presidente da companhia. “Há uma corrida mundial em torno desses suprimentos, mas ainda não temos redução”, afirma.

Para auxiliar no distanciamento social, a companhia também está ampliando o uso de telemedicina. A partir de amanhã, a companhia vai fornecer um boletim com dados como quantidade de casos suspeitos, casos confirmados e óbitos em suas unidades em cada cidade.

A Hapvida afirma que fez uma série de materiais informativos sobre a Covid-19 para os clientes de todo o país orientando como reduzir o contágio, mesmo onde a companhia possui participação menor – a empresa tem presença mais forte nas regiões Norte e Nordeste. Outra ação da companhia foi desenvolver uma comissão multidepartamental, que se reúne diariamente.

Ainda entre as medidas para conter o avanço do novo coronavírus, a Hapvida “só manteve voos de executivos realmente importantes para a operação”, segundo Jorge Pinheiro, aumentou os canais de teleconferência e a adoção de home office e antecipou. “A gente não consegue parar totalmente porque é um momento importante, um momento de calamidade pública”, afirma Pinheiro.

Fonte: ANA Carvalho/Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui