Liderança verdadeira e eficaz não é aquela estereotipada de socos e punhos cerrados que vemos frequentemente nas telas de cinema. A verdadeira liderança é sobre construir uma conexão emocional com as pessoas e realmente cuidar delas. Quando as coisas estão indo bem é fácil liderar. O papel é muito mais exigente quando os tempos são difíceis. E é nesse momento que os líderes recorrem aos laços pessoais construído com seus funcionários para garantir cooperação, perseverança e lealdade. Essa conexão entre o gestor e sua equipe é indispensável porque, além de motivar, cria vínculos.

Nas forças armadas, os melhores líderes não têm medo de demonstrar amor e devoção por suas tropas. Em uma entrevista recente, Justin Maciejewski, diretor do Museu Nacional do Exército Britânico e comandante aposentado do exército britânico, compartilha o tipo de conexão emocional que ele desenvolveu com seus soldados. “Eu percebi que mostrar vulnerabilidade e presença como líder é uma maneira importante de engajamento. O ponto não sobre ir a uma missão com um líder porque está preocupado com ele, mas para mostrar que está ao lado dele.” Observe como Maciejewski intrinsecamente entendeu que ele precisava estar perto, emocionalmente e fisicamente, das suas tropas para liderá-las.

Como os líderes criam essa conexão especial e pessoal que permite que as pessoas os sigam por toda a parte? A resposta é vulnerabilidade. Eles se permitem ser emocionalmente vulneráveis porque isso é a base para a construção de relacionamentos fortes.

Em 2010, o TED Talk de Brene Brown, intitulado “O poder da vulnerabilidade”, tomou o mundo como um tsunami. Como a maioria das pesquisas que se tornam virais, Brene colocou em foco um ponto muito básico sobre ser humano: nossa necessidade de ligações emocionais. Ela argumentou que “a conexão é o motivo de estarmos aqui. É o que dá propósito e significado às nossas vidas. É disso que se trata”. Sermos animais sociais, conectarmo-nos emocionalmente com outras pessoas faz parte de ser humano. É essencial para a experiência humana. Ao longo de nossas vidas, nossos relacionamentos mais significativos são baseados em conexões emocionais profundas. Essas relações começam com familiares, mas à medida que envelhecemos, crescemos para incluir amigos, professores, colegas, mentores e, também, nossos chefes e líderes. Brene sugeriu que usássemos o poder da vulnerabilidade para aprofundar nossos relacionamentos.

Para ser vulnerável, porém, é preciso compartilhar emoções -as boas e as ruins. Você não pode mais manter distância ou projetar uma imagem de perfeição. No discurso de despedida do general Douglas MacArthur, em 1962, ele aconselhou os soldados dos EUA a serem “fortes o suficiente para saber quando você é fraco e corajoso o suficiente para se enfrentar quando estiver com medo”. Este é um excelente conselho de liderança. Liderar exige que você admita honestamente erros e reconheça suas fraquezas, para si mesmo e também para os outros. É preciso deixar que os outros vejam suas imperfeições.

Os líderes usam o senso de propósito e significado que obtemos de profundas conexões emocionais para motivar sua equipe, especialmente em situações desafiadoras. Muitos artigos foram escritos sobre vulnerabilidade na liderança, mas os CEOs ainda acham esse um ponto difícil de acessar. Até o Fórum Econômico Mundial (WEF), uma organização que inspira os líderes do mundo, acredita que a vulnerabilidade é essencial. O WEF mostra como até líderes altamente conceituados, como o chefe da Berkshire Hathaway, Warren Buffett, o executivo-chefe da Apple, Tim Cook, e o presidente e o CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, não têm vergonha de suas vulnerabilidades.

Mas isso não é fácil para todos. Quando você está em uma posição de liderança, pode parecer contra-intuitivo exibir suas fraquezas por medo de se expor a críticas ou insubordinação. No entanto, existem ações simples que todo líder pode fazer para criar a dinâmica certa para ativar a vulnerabilidade de forma positiva.

Para ser um líder de sucesso, não basta ser confiável e tomar boas decisões analíticas, você também precisa ser bom em estabelecer uma conexão emocional com as pessoas. Isso requer ser mais vulnerável, o que pode ser assustador. Comece com pequenos passos e pergunte a si mesmo diariamente: “Que imperfeição ou fraqueza estou disposto a compartilhar hoje?” Mais cedo do que você pensa, verá como isso afeta as pessoas ao seu redor e as aproxima de você. E essa é a base para uma liderança eficaz.

(Forbes)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui