https://drive.google.com/uc?export=view&id=1svvz_GzD_y7En1GJ8sc-otmigq7IfN6M

 

Com oito anos de experiência na indústria de produtos lácteos, Daniel Batista não titubeou quando perdeu o trabalho no início do ano passado. 

Com a fila do desemprego crescendo, preferiu apostar no sonho antigo do negócio próprio e montou em outubro o Cheesebox – loja virtual que vende queijos e frios. “Nem fui atrás de emprego fixo”, diz ele. “Investi quase toda minha rescisão nesse novo negócio, que está indo muito bem.” 

No último mês, Batista decidiu incrementar a empresa e criar um programa de assinaturas, no qual o cliente opta por um plano e recebe todo mês uma cesta de produtos, como queijos, frios e geleias. Desde o lançamento, conseguiu 215 assinaturas. “Sou assinante de clubes de cerveja e vinhos e pensei: por que não fazer algo semelhante com queijos?” Batista diz que, apesar de o retorno estar sendo bom, teve de abrir mão de algumas coisas para colocar a loja de pé. 

Tirou do orçamento viagens e diminuiu idas a restaurantes. “Tivemos de dar uma segurada nas contas e fazer alguns sacrifícios”, diz. “Afinal, meu rendimento ainda é menor se comparado ao da empresa.” Segundo ele, ainda não foi possível obter o retorno de todo investimento feito. Mas Batista calcula que em mais oito meses terá pago todo o negócio. 

Sem funcionários, toda a parte operacional e comercial é por conta dele. Mas ele tem a ajuda da mulher, Vivian, para bombar os produtos nas redes sociais. “Por ora, não quero saber de emprego fixo.” 

(Estadão Negócios) 

Sistema RPBrasil de Comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui