REALIDADE AUMENTADA: VOCÊ SABE O QUE É?



A mistura entre tecnologia e vida real povoa o imaginário humano já há algumas décadas. Ela chegou efetivamente às mãos dos usuários com o desenvolvimento dos conceitos de realidade virtual e realidade aumentada. E o que eles são, afinal? 

Depois da realidade virtual, vale entender a noção de realidade aumentada. Diferentemente da realidade virtual, que quer inserir o usuário em um cenário completamente distinto do mundo real, a realidade aumentada quer mantê-lo atento ao mundo real.

A ideia é aumentar seu conhecimento imediato do mundo ao seu redor. Para isso, insere informações curtas, diretas e relevantes nele. Isso permite maior interação e aumenta as possibilidades de execução de tarefas. Assim, o usuário entra no mundo virtual para interagir com objetos limitados à sua imaginação.

A origem da realidade aumentada são os códigos de barras em duas dimensões (os códigos QR). Eles surgiram quando os códigos de barras ficaram limitados para as necessidades: a necessidade de inserir mais informações levou à criação de códigos 2D para garantir o armazenamento de mais informação.

A realidade aumentada combina um código QR e um programa de computador. Com os códigos bidimensionais é possível projetar objetos virtuais em uma imagem do mundo real de forma a oferecer mais informações, expandir as fronteiras da interatividade, bem como possibilitar o uso de novas tecnologias e tornar as atuais mais precisas.

Para formar o objeto virtual, coloca-se o item real em frente à câmera para que o software crie, em tempo real, o objeto virtual. O dispositivo, então, exibe o objeto virtual sobreposto ao real, como se ambos fossem uma coisa só. Como o software é programado com imagens, ações ou sinais predefinidos, quando o programa os recebe, ele os interpreta e exibe a resposta.

Usos da realidade aumentada

E como ela funciona? Para começar, são necessários um software, um marcador no mundo físico e o GPS. Não à toa, um bom exemplo de realidade aumentada são as etiquetas com código QR em pontos turísticos.

Com um leitor instalado em um smartphone e conexão à internet, tem-se acesso a um guia virtual, que indica locais a serem visitados (e até traça a rota para chegar a eles) e mostra história, curiosidades, opções de passeio e assim por diante. Assim, a etiqueta é o marcador no mundo físico, o leitor é o software que fornece informações ao usuário e o GPS do aparelho indica onde o usuário está no mundo físico.

Uma visita ao muro de Berlim, na Alemanha, permite que o turista tenha contato com um sistema desse tipo. O app Timetraveler ajuda o visitante a conhecer mais sobre a história do local por meio de vídeos de cenas marcantes  incluindo as da derrubada da construção, em 1989  projetadas sobre a paisagem atual da cidade.

Um dos maiores sucessos do uso da realidade aumentada no mundo foi o jogo Pokémon Go, lançado em 2016. O título usa o conceito para mostrar os pokémons no mapa e pela câmera do celular. Deu tão certo que, com uma semana de lançamento, já havia valorizado as ações da Nintendo em US$ 7,5 bilhões. Em menos de 5 meses, foram 100 milhões de downloads em aparelhos com Android e iOS!

(OlharDigital)

Comentários