EMBAIXADOR BRITÂNICO NOS EUA RENUNCIA APÓS POLÊMICA POR CRÍTICAS A TRUMP



Kim Darroch, apresentou hoje sua renúncia por conta da polêmica suscitada pelo vazamento de documentos nos quais qualificava o governo de Donald Trump como "disfuncional" e "inepto".

Em comunicado, Darroch afirmou que decidiu apresentar a renúncia para pôr fim às conjeturas sobre sua posição à frente da embaixada do Reino Unido em Washington, algo que torna "impossível" a realização de seu trabalho diplomático.

O presidente dos EUA criticou duramente o embaixador depois que a imprensa britânica revelou que Darroch tinha afirmado em documentos internos que para comunicar-se com Trump é "necessário apresentar argumentos simples, até mesmo rudes". 

Após ser informada da renúncia, a primeira-ministra britânica, Theresa May, lamentou no parlamento que Darroch tenha sentido a necessidade de renunciar como chefe da missão do Reino Unido em Washington.

May ressaltou que seu governo tinha manifestado "total apoio" ao embaixador e destacou que um governo depende de funcionários que possam dar uma assessoria "completa e franca".

"Desde o vazamento dos documentos oficiais desta embaixada, houve muitas conjeturas em torno da minha posição e da duração do meu ciclo como embaixador. Quero pôr fim a esta especulação.

A atual situação torna impossível a realização do meu trabalho como gostaria", declarou Darroch na sua nota, enviada ao secretário de Estado de Exteriores, Simon McDonald.

O diplomata explicou em sua carta que seu mandato terminaria no final deste ano, mas que, "diante das atuais circunstâncias, o responsável é permitir a designação de um novo embaixador". 

Darroch expressou ainda seu agradecimento a todos os políticos que manifestaram seu apoio nos últimos dias e ressaltou a importância da relação de amizade entre Reino Unido e EUA.

"O profissionalismo e a integridade do serviço civil britânico (exterior) é a inveja do mundo", acrescentou.

Nos textos vazados, revelados no domingo pelo jornal "The Mail on Sunday", o embaixador escreveu: "Não acreditamos realmente que este governo vá ser muito mais normal; menos disfuncional, menos imprevisível; menos divido em facções; menos trôpego diplomaticamente e inepto".

A residência oficial de Downing Street tinha indicado na segunda-feira que a função de um embaixador é fazer avaliações políticas "honestas" do país onde está destinado, mesmo que suas opiniões não sejam compartilhadas pelo governo do Reino Unido.

(UOL)

Comentários